Conheça o PASTOMAX, bioinsumo multifuncional para pastagens

Conheça o PASTOMAX, bioinsumo multifuncional para pastagens

Estima-se que existem hoje no Brasil 180 milhões de hectares ocupados por pastagens, sendo 120 milhões cultivadas (especialmente braquiárias). Cerca de 70% delas encontram-se em algum estágio de degradação, de acordo com a Embrapa. Para resgatar essa áreas e aumentar a produtividade, a BIOTROP, em parceria com a Embrapa Soja , lança ao mercado o PASTOMAX.

O Kit PASTOMAX é composto por três produtos: PASTOMAX PK (Pseudomonas fluorescens); PASTOMAX N (Azospirillum brasilense) e PASTOMAX PROTEGE (aditivo protetor, responsável pela proteção das bactérias contra dessecação e raios solares). A inovadora tecnologia, que associa microrganismos com propriedades multifuncionais, tem potencial para aumentar em 22% a produção das pastagens com braquiárias, além de promover a absorção de nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K), pois a maior contribuição das bactérias do kit ocorre pela promoção do crescimento das raízes e pela fixação e mobilização de nutrientes.

Segundo Ederson Santos, biólogo e gerente de portfólio da Biotrop, o PASTOMAX, ao aumentar a absorção de nutrientes pelas gramíneas, proporciona o melhor crescimento, melhora o crescimento radicular e o perfilhamento, resultando em plantas mais robustas e consequentemente em maior produção de arrobas por hectare. “São estirpes elite e exclusivas para pastagem, com formulação de alta estabilidade. O pecuarista vai aumentar a lotação por hectare, e vai produzir mais arroba por área, obtendo maior rentabilidade e produtividade. Esse é o ponto principal”, destaca.

O kit também promove maior praticidade, pois o pecuarista, para fazer as aplicações, não precisará retirar o gado do pasto, já que os produtos não são nocivos ou tóxicos. Além de reduzir o estresse dos animais, não deixa resíduos na carne ou no leite.

 “Outros benefícios importantes são obter maior sustentabilidade no manejo de recuperação de pastagens (carne carbono neutro), melhora o aproveitamento de N, P e K, e aumenta a resiliência das plantas à ocorrência de estresses bióticos e abióticos. Com o PASTOMAX é possível racionalizar a utilização de fertilizantes químicos, sequestrar mais carbono pela maior produção de biomassa, além de dar longevidade para as pastagens pelo melhor desenvolvimento e enraizamento das plantas. Assim, conseguimos trabalhar a sustentabilidade no manejo”, ressalta o biólogo.

Testes a campo
Os ensaios conjuntos foram conduzidos em duas condições de solo e clima distintos, com inoculação via sementes e, também foliar em pastagens já estabelecidas. No caso da bactéria Azospirillum brasilense CNPSo 2083 e 2084, considerando o fornecimento equilibrado de fertilizantes e a inoculação via sementes e foliar, os ensaios mostraram aumento no volume das raízes, o que melhorou, em média, em 13% a concentração N na biomassa e em 10,4% a absorção de K.

Por outro lado, a inoculação com Pseudomonas fluorescens CNPSo 2719 favoreceu um conjunto de processos bioquímicos que inclui a solubilização de fosfatos, a síntese de fitormônios e a absorção de nutrientes. Neste caso, impactou no aproveitamento de K, em 11,2%, e de P, em 30,2%.

De acordo com a pesquisadora, Mariangela Hungria, da Embrapa Soja, estes benefícios são constatados tanto pela inoculação via sementes quanto via foliar. “Vale destacar que o desenvolvimento da tecnologia incluiu viabilizar o sinergismo entre os microrganismos e a inoculação foliar. Portanto, é uma conquista para atender a uma demanda dos produtores que precisam melhorar as pastagens já estabelecidas”, destaca.

Para Santos, outro ponto importante a ser destacado é que essa melhoria na qualidade das forragens se transfere para a carne e para o leite. Ou seja, estes produtos terão uma carga maior de nutrientes. “Diversos estudos estão mostrando que esses elementos interferem diretamente na qualidade do animal, gerando melhor acabamento de carcaça, mais marmoreio e maior ganho de peso”, acrescenta.  

Parceria colaborativa
As pesquisas e avaliações do PASTOMAX entre a Embrapa e a Biotrop vêm sendo realizadas nas últimas quatro safras. Na parceria, o papel da Embrapa foi uma contribuição técnica para avaliar as respostas à produção de biomassa, incrementos em produtividade, teores de N, P e K. Já a Biotrop contribuiu com suas bactérias e expertise em biológicos na consolidação do produto. O desenvolvimento do kit reforça o compromisso da empresa em buscar soluções inovadoras e de claro retorno sobre o investimento para seus clientes. “A Biotrop fomenta parcerias público-privadas para acelerar a disponibilização de novas soluções aos agricultores e pecuaristas, tornando o Agro mais sustentável, produtivo e rentável”, explica o biólogo.

O lançamento oficial do PASTOMAX ocorreu no dia 28 de julho, durante uma live com participação da equipe técnica da Biotrop e da Embrapa. O conteúdo completo pode ser conferido no canal de Youtube da BIOTROP. Assista!

28 de janeiro de 2021

Manejo biológico na cultura do milho

Um bom manejo integra vários aspectos, em especial a inclusão de biológicos, que além de eficiência agregam em sustentabilidade e revitalização agrícola.

28 de janeiro de 2021

Conheça o PASTOMAX, bioinsumo multifuncional para pastagens

Inoculante biológico aumenta produção de massa verde pelo pasto em até 22%, além de promover a absorção de nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K).

28 de janeiro de 2021

Empresa brasileira de biológicos recebe certificação internacional de sustentabilidade

Participando pela primeira vez da avaliação, Biotrop foi classificada pela EcoVadis, fornecedora mundial de avaliação empresarial.

1 2 3 18