Dia Mundial da Agricultura - os desafios da agricultura sustentável

Dia Mundial da Agricultura - os desafios da agricultura sustentável

Em 25 de setembro de 2015, os 193 Estados-Membros das Nações Unidas adotaram os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030: objetivos globais que devem orientar as ações da comunidade internacional de 2016 a 2030, oferecendo uma visão para alimentos e agricultura como chave para o desenvolvimento sustentável.

A FAO (Food and Agriculture Organization) - agência especializada em agricultura na ONU (Organização das Nações Unidas) - está diretamente ligada aos objetivos definidos, enquanto agente de conhecimento e informação sobre este e outros temas relacionados à alimentação saudável, qualidade de vida e recursos naturais.

No site da agência, encontramos os 17 objetivos da Agenda 2030, que oferece a visão de um mundo mais justo e pacífico. Uma oportunidade histórica e sem precedentes para reunir os países e a população global para a reflexão e adoção de novos caminhos, melhorando a vida das pessoas em todos os lugares.

Nosso Papel

A Biotrop, empresa que nasceu de um distinto grupo de profissionais apaixonados pela agricultura e com vocação para “fazer diferente”, abraça os desafios da agricultura sustentável todos os dias. Nosso propósito é transformar a agricultura, inovando em biológicos para a produção de alimentos saudáveis.

Assim, mais do que um lema, este propósito orienta as ações do dia a dia e nos leva a inovar sempre, com seriedade e competência.

Destacamos 05 objetivos que, dentre outros, estamos ajudando a viabilizar, por meio das nossas ações, pesquisas e inovação em agricultura biológica:

1) Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável

Hoje há mais comida produzida do que suficiente para alimentar cada um de nós. No entanto, mais de 820 milhões de pessoas permanecem desnutridas cronicamente. Na África, a fome está aumentando em quase todas as sub-regiões, com uma prevalência geral próxima de 20%.

A desnutrição, enquanto isso, está cobrando um preço muito alto nos países em desenvolvimento e desenvolvidos. Enquanto o nanismo - baixa estatura para a idade - está diminuindo lentamente, mais de dois bilhões de adultos, adolescentes e crianças estão agora obesos ou com sobrepeso. As consequências são graves para a saúde pública, a riqueza nacional e a qualidade de vida de indivíduos e comunidades.

Essas tendências preocupantes coincidem com a diminuição da disponibilidade de terra; aumento da degradação do solo e da biodiversidade; e eventos climáticos mais frequentes e severos. O impacto das mudanças climáticas na agricultura agrava a situação.

Nesse ínterim, os biológicos contribuem para a produção tanto de alimentos de primeira necessidade como arroz, milho e trigo fundamentais para o combate à desnutrição, como também para alimentos como verduras e frutas indispensáveis no combate à obesidade em economias ricas.

2. ) Garantir uma vida saudável e promover o bem-estar para todos em todas as idades

A boa saúde começa com a nutrição. Sem alimentos regulares e nutritivos, os humanos não podem viver, aprender, afastar doenças ou levar vidas produtivas.
Para a FAO, a saúde vai além da saúde humana, incluindo também a saúde animal, vegetal e ambiental, uma abordagem da One Health. Animais saudáveis contribuem para pessoas saudáveis e para a produção sustentável de alimentos.

Os biológicos contribuem com a qualidade de vida no campo, reduzindo os impactos da atividade agrícola sobre insetos, animais e os próprios trabalhados do campo.

3) Construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização sustentável e promover a inovação

Nos países em desenvolvimento, as áreas rurais abrigam grande parte das pessoas, a maioria das quais depende da agricultura para sua subsistência. No entanto, a conectividade e o acesso limitados aos mercados como resultado do isolamento e da infraestrutura fraca afetam os meios de subsistência e a segurança alimentar dos pequenos produtores.

Intervenções direcionadas destinadas a diversificar o emprego em atividades não agrícolas e proporcionar aos pequenos produtores acesso a tecnologias e infraestrutura são essenciais para acelerar a redução da pobreza. O crescimento de atividades não agrícolas é frequentemente impulsionado pelo crescimento agrícola e pode estimular a criação de emprego local.

Já a inovação, nas mais diversas formas, pode contribuir para romper paradigmas e trazer novas soluções para a “velha” agricultura. Os biológicos são exemplo disto. Hoje o químico é regra e o biológico a exceção, mas a Biotrop acredita que em 10 anos a situação se reverta, em benefício das pessoas e do planeta. Para isto, investimos massivamente em pesquisas e registros, em busca de um futuro sustentável.

4). Garantir padrões de consumo e produção sustentáveis

Uma população global crescente, com recursos naturais deteriorados e maior urbanização, significa que mais pessoas se alimentam com menos água, terras agrícolas e mão de obra rural. Satisfazer os aumentos esperados destas necessidades significa mudar para abordagens de produção e consumo mais sustentáveis.

Hoje, o mundo desperdiça ou perde cerca de um terço da comida que produz, enquanto mais de 820 milhões de pessoas passam fome. Para alimentar o mundo de maneira sustentável, os produtores precisam ser mais produtivos e reduzir os impactos ambientais negativos, como perda de solo, água e nutrientes, emissões de gases de efeito estufa e degradação dos ecossistemas.

Os biológicos beneficiam a agricultura ao proporcionar maior produtividade, maximizando o uso e o potencial do solo para gerar sistemas de produção mais eficientes.

5. Gerenciar florestas de maneira sustentável, combater a desertificação, interromper e reverter a degradação da terra, deter a perda de biodiversidade

Ecossistemas saudáveis protegem o planeta e sustentam os meios de subsistência.

As florestas, zonas úmidas, montanhas e áreas secas, em particular, fornecem inúmeros bens e serviços ambientais - ar e água limpos, conservação da biodiversidade e mitigação das mudanças climáticas.

Florestas e pastagens mantêm uma variedade de indústrias, geram empregos e renda e atuam como fonte de alimentos, remédios e combustível para mais de um bilhão de pessoas. Hoje, no entanto, os recursos naturais estão se deteriorando, os ecossistemas estão estressados e a diversidade biológica está sendo perdida em todo o mundo.

O mal uso da terra resulta em perda de habitats valiosos, diminuição da água limpa e degradação e erosão do solo, além da liberação de carbono na atmosfera. Eles contribuem para a perda de valiosos ativos econômicos e oportunidades de subsistência.

Aqui na Biotrop, costumamos dizer que o solo - um bem não renovável, é coisa séria. Utilizar soluções biológicas e naturais ajudam a tratar e recuperar o solo, auxiliando o crescimento das plantas. Além disso, por não conter agentes químicos, beneficiam todo o ecossistema, preservando a biodiversidade.

Confira os demais objetivos estabelecidos pelas Nações Unidas:

6. Acabar com a pobreza em todas as suas formas em todos os lugares

Agricultura inclusiva, produção de alimentos e economias não agrícolas podem criar empregos e eliminar a fome nas áreas rurais, dando assim às pessoas a chance de alimentar suas famílias e viver uma vida decente.

7. Garantir educação inclusiva e de qualidade para todos e promover a aprendizagem ao longo da vida

A obtenção de uma educação de qualidade é crucial para melhorar a vida das pessoas e o desenvolvimento sustentável. No entanto, milhões de crianças nas comunidades rurais estão presas no trabalho infantil, enquanto a taxa média fora da escola em todo o mundo é duas vezes mais alta nas áreas rurais do que nas áreas urbanas.

8. Alcançar a igualdade de gênero e capacitar todas as mulheres e meninas

As mulheres representam cerca de metade da força de trabalho agrícola total nos países em desenvolvimento. Como agricultoras, técnicas, consultoras, empresárias e líderes comunitárias, elas desempenham papéis importantes na agricultura e no desenvolvimento das economias rurais.

No entanto, enfrentam maiores restrições do que os homens no acesso à terra, tecnologia, mercados, infraestrutura e serviços, apesar das evidências mostrarem que quando as mulheres rurais têm o mesmo acesso que os homens a recursos produtivos, serviços e oportunidades econômicas, há um aumento significativo na produção agrícola e ganhos sociais e econômicos imediatos e de longo prazo, todos contribuindo à redução do número de pessoas pobres e famintas.

9. Garantir a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos

Aumentar a produção de alimentos usando menos água é um dos grandes desafios de nossos tempos. A escassez de água, a baixa qualidade e o saneamento inadequado afetam a segurança alimentar, nutrição e oportunidades educacionais e econômicas para famílias pobres em todo o mundo.

10. Garantir acesso à energia - confiável, sustentável e limpa para todos

A energia tem um papel fundamental na segurança alimentar e na nutrição. Os sistemas alimentares modernos dependem fortemente de combustíveis fósseis, consumindo cerca de 30% da energia disponível no mundo e produzindo mais de 20% das emissões mundiais de gases de efeito estufa.

Assim, para fornecer mais alimentos com menos energia e mais limpa, os sistemas de alimentos e agricultura precisarão gradualmente se separar da dependência de combustíveis fósseis e adotar fontes de energia renováveis que reduzam os impactos nas mudanças climáticas e garantam a segurança alimentar.

11. Promover crescimento econômico inclusivo e sustentável, emprego e trabalho decente para todos

Empregos melhores, mais seguros e variados são certamente necessários em áreas rurais, onde a maioria dos pobres do mundo vive e trabalha. A agricultura é o maior empregador do mundo, especialmente nos países em desenvolvimento, onde gera uma parcela considerável do PIB. Mas a maioria dos trabalhadores possui empregos precários e mal remunerados na economia rural informal.

Alimentos e agricultura podem ajudar a resolver o desafio do emprego, explorando melhor as oportunidades de trabalho na agricultura e além - nas cadeias agroalimentares ligadas à agricultura sustentável, desenvolvimento de negócios agrícolas e serviços de apoio relacionados.

12. Reduzir a desigualdade dentro e entre países

Globalmente, foram feitos avanços significativos no sentido de tirar as pessoas da fome e da pobreza. Contudo, as desigualdades ainda persistem e persistem grandes disparidades no acesso à renda, alimentação, terra, saúde e educação, especialmente nas áreas rurais.

13. Tornar as cidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis

Cerca de metade da humanidade vive nas cidades. Mas até 2050, dois terços da população global serão moradores urbanos. O rápido crescimento urbano nos países em desenvolvimento vem pressionando as demandas nos sistemas alimentares. As cidades se expandem para terras férteis, aumentando as necessidades alimentares de famílias urbanas que competem por recursos naturais, como terra e água.

14. Tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas e seus impactos

A produção de alimentos ameaça ser a maior vítima das mudanças climáticas, mas a agricultura sustentável pode fazer parte da solução.

15. Conservar e usar de forma sustentável os oceanos, mares e recursos marinhos

Oceanos, mares e áreas costeiras fornecem ao mundo numerosos bens fundamentais para o bem-estar humano e a segurança alimentar global. A pesca e a aquicultura oferecem amplas oportunidades para reduzir a fome e melhorar a nutrição, aliviar a pobreza, gerar crescimento econômico e garantir melhor uso dos recursos naturais.

16. Promover sociedades justas, pacíficas e inclusivas

A segurança alimentar e um setor agrícola saudável podem certamente desempenhar um papel crítico na prevenção da migração de conflitos e angústias e na construção da paz. Em muitos países, desastres ou instabilidade política resultaram em crises prolongadas e escassez de alimentos.

17. Revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

A complexidade e a interconectividade dos objetivos aqui elencados exigem uma nova maneira de fazer negócios, exigindo que todos os atores do desenvolvimento se envolvam e compartilhem conhecimento no apoio aos países na implementação e monitoramento das metas.

Nesse sentido, é necessário mobilizar, redirecionar e liberar o poder transformador de trilhões de dólares em recursos privados para cumprir os objetivos de desenvolvimento sustentável. Investimentos de longo prazo, incluindo investimento direto estrangeiro, são necessários em áreas críticas, especialmente nos países em desenvolvimento. Essas áreas incluem energia, infraestrutura e transporte sustentáveis, bem como tecnologias de informação e comunicação.

Sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável:

Para a ONU, os objetivos da agenda são:

  • universais, ou seja, servem tanto para países desenvolvidos quanto em desenvolvimento;
  • sustentáveis, integrando os três pilares - econômico, social e ambiental;
  • indivisíveis, pois nenhum objetivo é separado dos outros, e todos exigem atenção e participação;
  • e ambiciosos, com o objetivo de eliminar a pobreza e a fome e, ao mesmo tempo, administrar os recursos naturais de maneira sustentável.

Saiba mais sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU acessando aqui.

Veja Também:

Estudos com bactérias comprovam eficiência e economia na agricultura

Agricultura Biológica: Hoje e depois

28 de janeiro de 2021

Manejo biológico leva inúmeros benefícios à cultura do feijão

Em um momento de incertezas relacionadas aos fertilizantes, produtores podem aumentar a eficiência da adubação de base, manejar pragas e doenças, ter ganho de produtividade, com sustentabilidade

28 de janeiro de 2021

Alerta vermelho: O produtor precisa pensar em alternativas aos fertilizantes

Alta dos insumos e até o risco de um possível desabastecimento para as próximas safras desperta atenções no campo. Boa gestão e produtos alternativos como os biológicos podem ajudar a diminuir os impacto

28 de janeiro de 2021

Lançamento do Programa BioMulher

Segundo o IBGE (Instituto de Geografia e Estatística) mais de 40% dos profissionais que atuam no mercado de agronégocio brasileiro são mulheres. Em homenagem a esse universo lançamos hoje o Programa BioMulher, que levará informaçõrd, palestras e práticas ao time feminino da Biotrop, com o objetivo de valorizar e apoiar o trabalho e desempenhado por elas.

1 2 3 23